quinta-feira, 24 de junho de 2021

Paróquia de N. S. do Livramento, criação do Apostolado da Oração dos Homens.

 




Transcrição da Ata:

"Acta da primeira sessão ordinaria do Apostolado da Oração dos homens da Paroquia de N. S. do Livramento de Taipú, sob a Presidencia do Revmo Padre Manoel Gadelha, Diretor local e Presidente.

Aos cinco dias do mez de Setembro de mil novecentos e vinte, em um dos corredores laterais desta Matriz de Taipú, teve lugar a primeira sessão ordinaria do Apostolado da Oração dos homens, da mesma Paroquia, presidida pelo Revmo. Vigario Padre Manoel Gadelha, Director local e Presidente.

Aberta a sessão com o comparecimento de todos os zeladores e grande numero de fieis, pelas preces do estylo e não havendo acta a ler por ser a primeira sessão que se fazia do Apostolado dos homens separadamente do das senhoras, o Revmo. Director tomando a palavra depois de ter lido um capitulo do Manual que regra a associação, congratulou-se com os zeladores por formarem a uma associação independente com a sua Directoria distinta da das senhoras a que estiveram ligados, constituindo uma so corporação e agindo provisoriamente até pouco tempo.

Em seguida assumiram a prosseguir trabalhando sempre pelos interesses do Sagrado Coração de Jesus, demonstrando que não agiam como uma parte mas com um todo que era constituído pelo Apostolado em todo o Universo a que estavam unidos pelo mesmo Sagrado Coração, pela comunhão de ideias e pelas que visavam o mesmo fim de ensinar o Reino de Deus na terra. Incitou-se ainda a perseverança no bem, a mesma animados sempre pelo espírito do Divino Mestre certo de que não ficaram sem recompensa os esforços despendidos por cada um, para a gloria de Deus. Declarando o Zelador João Soares que, por motivo justo, não podia aceitar o cargo de Thesoureiro para que tinha sido nomeado, o Revmo. Presidente nomeou para substituílo o Zelador Manoel Clementino que aceitou.

Nada mais havendo a tratar, manda fazer a colleta que rendeu cinco mil quatrocentos e oitenta (5$489) que foi entregue ao Zelador tesoureiro e encerrou a sessão com as orações de costume e a bençam do S. S. Sacramento.

Do que, para constar, eu Manoel Eugenio de Andrade secretario faço a presente submeto a aprovação da Directoria."

 

Fonte: Paróquia de Nossa Senhora do Livramento, livro de assentos de batismos nº 10 (a ata está inserida entre as folhas desse livro). Disponível no site: https://www.familysearch.org/ark, filme 008163648, folha 2540. Acesso em 24/junho/2021.

sábado, 19 de junho de 2021

Bento Fernandes de Macedo, o honrado delegado de Barreto.


Assento de batismo de Bento, 18º filho de Bento Fernandes de Macedo. Fonte: Paróquia de Nossa Senhora do Livramento, Taipu / RN, Livro de assentos de batismos nº 8, pág. 34, assento 637.

 

BENTO FERNANDES DE MACEDO, filho legítimo de Lourenço Fernandes de Macedo e Anna Joaquina de Jesus, era natural do lugar Poço Limpo, que, à época, pertencia a cidade de São Gonçalo e, por vezes pertenceu à Macaíba (em função das alternâncias de São Gonçalo entre a soberania política e dependência de Macaíba), quando por fim, antes da sua emancipação, pertenceu à cidade de São Paulo do Potengi. Poço Limpo tornou-se sede do município de Ielmo Marinho que se elevou à categoria de município, pela lei nº 2909, de 28/08/1963, desmembrado-se de São Paulo do Potengi e instalando-se aos 26/01/1964.

Bento Fernandes de Macedo transferiu-se para o município de Taipu e radicou-se no lugar Riacho do Barreto, onde chegou a delegado de Polícia. Era ligado ao Partido Republicano, amigo do Coronel Felizmino Dantas, líder político da região.

Ao tentar debelar um tumulto, gerado por ocasião dos festejos religiosos ao Padroeiro de Barreto, em frente à Capela do Sagrado Coração de Jesus, foi assassinado por forasteiros. A repercussão do acontecido foi intensa e extrapolou as fronteiras do município. A comoção e revolta popular foram aos poucos dando lugar ao sentimento de orgulho pelo homem capaz de sacrificar a vida em defesa do lugar.

O Distrito de Barreto emancipou-se politicamente de Taipu, elevando-se à categoria de município com a denominação de Barreto, pela Lei Estadual n.º 2.353-A, de 31/12/1958, instalando-se a 01/01/1959 e, pela Lei Estadual n.º 3.506, de 16/10/1967, o município de Barreto passou a denominar-se Bento Fernandes, justamente em homenagem ao seu honrado delegado.

Bento Fernandes de Macedo casou-se em três núpcias e foi pai de dezoito filhos.

Casou-se em primeiro matrimônio com Isabel Maria da Conceição, filha de Lutherino Fernandes de Macedo e Maria Rosa da Conceição. Foram os pais de:

F.01     Hermínio Fernandes de Macedo, natural de Macaíba, nasceu no ano de 1876.

F.02     José Fernandes de Macedo, natural de Macaíba, nasceu no ano de 1877.

F.03     Maria da Cruz de Macedo, nasceu entre os anos de 1878 e 1879.

F.04   Lourenço Fernandes de Macedo, nasceu aos 24/08/1880 e foi batizado em Macaíba aos 26/08/1880.

F.05     Luzia Fernandes de Macedo, natural de Ceará Mirim, nasceu no ano de 1881.

F.06    João Fernandes de Macedo, natural de Macaíba, nasceu aos 08/07/1882 e foi batizado aos 09/10/1882.

F.07    Maria do Carmo de Macedo, natural de Ceará Mirim nasceu no ano de 1883.

F.08    Maria José de Macedo, natural de Taipu, nasceu no ano de 1884.

F.09    Francisca Fernandes de Macedo, natural de Taipu, nasceu no ano de 1885.

F.10    Manoel Fernandes de Macedo, natural de Ceará Mirim, nasceu no ano de 1886.

F.11  Maria (Fernandes de Macedo), natural de Macaíba, nasceu aos 05/09/1887 e foi batizada aos 12/06/1888

F.12     Maria Emília Fernandes, natural de Ceará Mirim, nasceu no ano de 1889

F.13     Maria Pia de Macedo, natural de São Gonçalo, nasceu no ano de 1891.

F.14     Maria das Neves de Macedo, nasceu no ano de 1893.

F.15     Cícero Fernandes de Macedo, nasceu no lugar Barreto, Taipu, aos 12/10/1894.

F.16     Maria das Dores Góes, nasceu no ano de 1897.

Bento Fernandes de Macedo, viúvo por falecimento de Isabel Maria da Conceição, casou-se em segundas núpcias, religiosamente em Barreto, aos 30/06/1908, no civil, em Taipu, aos 16/10/1908, com Melânia Augusta de Macedo, natural da cidade de Santa Cruz, nascida no ano de 1885, filha de Emydio Augusto do Nascimento e Umbelina Leopoldina da Câmara. (Melânia era cunhada de Maria das Neves Fernandes. Filha de Bento Fernandes). Desse matrimônio houve:

F.17  Maria (Fernandes de Macedo), nasceu em Barreto, Taipu, aos 15/11/1911 e foi batizada em Taipu, aos 16/01/1914.

Bento Fernandes de Macedo, viúvo por falecimento de Melânia Augusta de Macedo, casou-se religiosamente em terceiras núpcias, em São Paulo (do Potengi?), freguesia de Macaíba, aos 28/06/1914, com sua prima Luíza de Macedo, filha de José Fernandes de Macedo e Isabel Maria da Conceição. Foram os pais de:

F.18   Bento (Fernandes de Macedo), nasceu aos 03/09/1926; foi batizado na Capela de Barreto, Taipu, aos 24/12/1926.

Com relação às datas de nascimento e óbito de Bento Fernandes de Macedo, há conflitos de informações.

Bento Fernandes teria nascido no ano de 1848, conforme consta no site https://www.familysearch.org/wiki/pt/Bento_Fernandes,_Rio_Grande_do_Norte_-_Genealogia, porém, no assento do casamento civil com Melânia Augusta de Macedo, realizado em Taipu aos 16/10/1908, consta que o nubente tem 55 anos, portanto, nascido no ano de 1853, já no assento de casamento, em terceiras núpcias, com Luíza de Macedo, realizado aos 28/06/1914, consta que o nubente tem 63 anos, portanto, teria nascido no ano de 1851.

Com relação à data de óbito, o site https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/bento-fernandes/historico refere-se ao falecimento de Bento Fernandes como no ano de 1925, no entanto, o assento de batismo de Bento, seu último filho, consta que esse nasceu aos 03/09/1926 e foi batizado aos 24/12/1926. Como no assento de batismo de Bento não constar óbito do pai, há de se crer que Bento Fernandes de Macedo não tenha falecido antes de dezembro de 1926.

 

Fontes:

Araújo, Manoel Nazareno Nogueira de. História de São Gonçalo – Edição Comemorativa

Bento Fernandes, Rio Grande do Norte – Genealogia, https://www.familysearch.org/wiki/pt/Bento_Fernandes,_Rio_Grande_do_Norte_-_Genealogia, acessado em 18/junho/2021.

Brasil / Rio Grande do Norte / Bento Fernandes, https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/bento-fernandes/historico. Acessado em 18/junho/2021.

Brasil / Rio Grande do Norte / Ielmo Marinho. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/ielmo-marinho/historico. Acessado em 18/junho/2021.

Livros de assentos de nascimentos, casamentos e óbitos, das Paróquias de: Ceará Mirim, Macaíba, Natal e Taipu. Disponível em: https://www.familysearch.org/search/catalog - Acesso em 19junho/2021.

Livros de registros civil de nascimentos, casamento e óbitos dos Cartórios das cidades de: Ceará Mirim e Taipu. Disponível em: https://www.familysearch.org/search/catalog - Acesso em 19/junho/2021.

São Gonçalo do Amarante (Rio Grande do Norte) – Wikipédia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Gon%C3%A7alo_do_Amarante_(Rio_Grande_do_Norte) Acesso em 19/junho/2021.

Por Arnaldo Eugenio de Andrade, 19/06/2021.

 

sexta-feira, 18 de junho de 2021

Comercial de Cachoeira - Feminino

 

As jogadoras pioneiras do Comercial de Cachoeira - Taipu / RN, no ano de 1997. Da esquerda para a direita - em pé: Totinha, Denize, Nega, Iris, Menininha, Eliene e Binha - Agachadas: Janaina, Avaneide, Dione, Lígia e Ceiça.

Fonte: João Maria Rodrigues, gentilmente cedida.

segunda-feira, 14 de junho de 2021

Em fim, os parentes de K-Ximbinho, em Taipu.

                                                     
Totinha Tomaz - Fonte: o autor

 

A algum tempo venho pesquisando a família Francisco de Barros, de Taipu, que teve como expoente K-Ximbinho, músico e maestro de expressão internacional. Havia encontrado Pedro Francisco de Barros, o pai do músico, e mais sete irmãos, e sabia que eram de Cachoeira.

Este fim de semana, com Dedé Medeiros, fomos visitar Antônio Durval Tomaz, velho amigo, desde a época do memorável campeonato de futebol de campo, em 1985 ou 86, onde Antônio Tomaz atual como juiz. Tinha a esperança de que Antônio Tomaz nos desse alguma pista dos descendentes dessa família, em Cahoeira.

Para grata surpresa estava ali, na residência de Antônio Tomaz, sua filha Maria Aparecida, conhecida por Totinha. Pois bem, é Totinha parente de K-Ximbinho, conforme genealogia a seguir:

Roza Maria de Barros era irmã de Pedro Francisco de Barros, esse casou-se com Joana Maria dos Prazeres e foram os pais de Sebastião de Barros (K-Ximbinho) e Irene de Barros.

ROZA MARIA DE BARROS, casou-se com João Soares Cajueiro e foram os pais, dentre outros filhos, de: 

F.01 - MARIA NAZARÉ SOARES DE BARROS, casou-se com Pedro Miguel de Oliveira e foram os pais, dentre outros filhos, de:

N.01 - MARIANA OLIVEIRA, casou-se com Antônio Tomaz Durval (1º matrimônio de Antônio Tomaz) e foram os pais de:

BN.01 - JOSÉ ANTÔNIO.

BN.02 - MARIA APARECIDA (Totinha)

BN.03 - MARIA DE FÁTIMA.

BN.04 - MARIA DE LOURDES.

 

FAMÍLIAS TAIPUENSES DESCENDENTES DE URUAÇU

  Estêvão Machado de Miranda, casado com Bárbara Vilela Cid, filha de Antônio Vilela Cid e Ignês Duarte, eram os pais de três filhas, duas...