sexta-feira, 27 de janeiro de 2023

Taipu, citada no jornal "O Globo"

O Jornal "O Globo", no caderno Boa Chance, edição de 7 de janeiro de 2010, faz citação a uma pequena cidade, a 50 km de Natal, e a um engenheiro. A cidade é a minha Taipu, o engenheiro é este que escreve.

 Arquivo PDF - Click aqui

sábado, 7 de janeiro de 2023

Taipu - Bastidor da campanha eleitoral de 1976

 Antônio Moraes da Rocha (Toinho de Celso) - Imagem: acervo de Whashington Alland.

 

Durante o período do Regime Militar havia apenas dois partidos políticos, a ARENA e o MDB, denominados, respectivamente, de Aliança Renovadora Nacional e o Movimento Democrático Brasileiro. O primeiro era ligado ao Sistema, o segundo, que era oposição, não existia formalmente na maioria dos municípios brasileiros, ao ponto de, naquela época, as disputas às prefeituras serem feitas dentro da própria ARENA, visto a legalidade da legenda apresentar mais de um candidato à disputa. É o caso da campanha de 1968, disputada por Geraldo Lins de Oliveira e José Luiz Cavalcante, com vitória do primeiro com 171 votos de maioria, e a eleição de 1972, disputada entre Amâncio Soares da Silva e Luiz Faustino do Nascimento, também com vitória do primeiro com 1.378 contra 751 votos.

Na primeira metade da década de 1970 o MDB começava a ter um crescimento vertiginoso em todo o Brasil, ao ponto de, no ano de 1974, vencer dezesseis das vinte e duas disputas ao Senado. No Rio Grande do Norte, no mesmo ano de 1974, destaca-se a surpreendente vitória ao Senado do feirante Agenor Maria, impondo histórica derrota ao notável jurista Djalma Marinho. Taipu também vivia uma euforia com aquele momento político, seu filho ilustre, Magnus Kelly havia se elegido Deputado Estadual no ano de 1966, com apenas 21 anos de idade, reelegendo-se no ano de 1970, com aumento expressivo da sua votação em relação à primeira campanha, e reeleito novamente no ano de 1974, consolidado-se como a grande liderança política da região Mato Grande.

Magnus Kelly entendia que, com o seu capital político, faria o prefeito de Taipu, assim, lançou a pré candidatura do seu primo Antônio Moraes, mais conhecido por Toinho de Celso. Toninho nuca havia se submetido às urnas, embora descendesse de família política, seu avô Adão Marcelo foi importe líder político de Taipu, seu tio avô Antônio Alves, outro importante líder político e amigo de Café Filho, de quem era compadre, seu Pai Celso Alves Rocha compôs com Antônio Soares da Racho a chapa que disputou a prefeitura na campanha de 1952, sem, no entanto, haver logrado êxito. Toinho seria posto à prova.

O nome de Toinho foi lançado, com muita euforia e grande aceitação, pontos estratégicos da cidade foram pintados com letras garrafais: TOINHO 76. Tudo parecia ir muito bem até que um desentendimento entre os primos Magnus e Toinho fez o segundo desistir da candidatura.

Tal divergência deu-se porque Toninho reivindicava mais apoio de Magnus, sobretudo, uma farmácia popular para Taipu, que serviria, obviamente, como instrumento de campanha; Magnus desdenhou do primo dizendo-lhe que elegeria qualquer um que o indicasse, fato que aborreceu Toinho, e o fez desistir da candidatura.

A eleição do ano de 1976 teve como concorrentes à prefeitura quatro candidatos: Geraldo Lins de Oliveira (ARENA), José Luiz Cavalcante (ARENA), Luiz Pinheiro de Carvalho (MDB) e Tereza Alves da Rocha (MDB).

Geraldo Luiz de Oliveira tornara-se um político muito popular, talvez o mais popular de toda história política de Taipu, entretanto, o vertiginoso crescimento de MDB tornaria aquela campanha um embate dificílimo. Com a desistência de Toninho, todo o cenário mudou, o que, favoreceu à vitória do “Mocó”, como era conhecido o candidato. Geraldo Lins.

O favorecimento a que me refiro baseia-se no fato de que, sendo Toinho candidato, não era provável que o Sr. José Luiz tivesse entrado na disputa, visto ser parente por afinidade de Toinho (era casado com sua tia Zuíla) e que não parecia ter uma obstinação pela prefeitura, visto que não disputou a eleição anterior, de 1972, contra Sr. Amâncio, assim, provavelmente, Toinho seria candidato único do PMDB.

As chapas concorrentes receberam as seguintes votações:

Prefeito Geraldo Lins de Oliveira, vice prefeito Luiz Faustino do Nascimento      972 votos

Prefeito José Luiz Cavalcante, vice prefeito Wellington Luiz Varela da Costa       861 votos

Prefeita Tereza Alves da Rocha, vice prefeito Francisco Dias da Silva                  371 votos

Prefeito Luiz Pinheiro de Carvalho, vice prefeito Francisco Dias da Silva            128 votos

Nota-se que Francisco Dias da Silva aparece como candidato a vice prefeito nas duas chapas no MDB, isso mesmo, a regra permitia.

Sr. Geraldo Lins sagrou-se vitorioso com 972 votos, enquanto a somatória de votos dos adversários foi de 1.360, 388 votos a mais do que a votação do prefeito eleito.

Fica com esta narrativa um detalhe de bastidor da campanha política de Taipu, do ano de 1976. 

 

Arnaldo Eugenio, janeiro / 1923.

 





terça-feira, 3 de janeiro de 2023

Primeiro casamento realizado na Igreja Matriz de Nossa Senhora Mãe dos Homens

 Termo de Abertura do Livro de Assentos de Casamentos nº 1 da Freguesia de Nossa Senhora Mãe dos Homens de Baixa Verde


O primeiro assento de casamento registrado no Livro de Matrimônio da Paroquia de Nossa Senhora Mãe dos Homens, de Baixa Verde / RN, cerimônia realizada na Igreja Matriz, aos 13 de novembro de 1929, celebrada pelo vigário Celso Cicco, tem os seguintes personagens:

Cícero Gomes Cavalcante, natural desta freguesia (Nossa Senhora Mãe dos Homens), 30 anos de idade, filho legítimo de Francisco Gomes Cavalcante e de Maria Bezerra Cavalcante, casou-se com Rita Ferreira dos Santos, natural da mesma freguesia, com 16 anos de idade, filha legítima de Antônio Galdino Ferreira e de Francisca Ferreira dos Santos; foram testemunhas Manoel Galdino Ferreira e Mathias Alves Batista.

A paróquia de Nossa Senhora Mãe dos Homens foi criada aos 13 de novembro de 1929, desmembrando-se da Paroquia de Nossa Senhora do Livramento, de Taipu /RN; a data da criação da paróquia é a mesma data da primeira cerimônia de matrimônio, entretanto, o “Termo de Abertura” do Livro de Casamento está datado de 14 de novembro de 1929.

 

Fonte:

Livro nº 1 de Assento de Matrimônios da Freguesia de Nossa Senhora Mãe dos Homens de Baixa Verde. Disponível em: https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:3Q9M-CS2Q-S9Y5-T?i=1132&cat=1049695

terça-feira, 20 de dezembro de 2022

Magnus Kelly, despediu-se da vida

 

Magnus Kelly em momentos - Fotos reprodução

 

MAGNUS KELLY DE MIRANDA ROCHA, filho de Marino Alves da Rocha e de Dona Maria Inês Rocha de Miranda, neto paterno de Adão Marcelo da Rocha e de Dona Luíza Querubina da Nascimento e, pela parte materna, de João Miranda Filho e de Dona Suzana Leite de Miranda, nasceu em Taipu, na casa que atualmente pertence à Senhora Darci Balbino, a 1º de outubro de 1945.

Magnus Kelly, que era advogado, participou do movimento político “Cruzada da Esperança”, liderando pelo ex Governador Aluízio Alves; foi deputado estadual por três legislaturas, conquistando os mandatos em 1966, 1970 e 1974, sendo eleito, para seu primeiro mandato, com apenas 21 anos de idade.

Na sua bandeira de luta por Taipu, destaca-se as reivindicações pela aquisição de um Ginásio (Escola de Curso Ginasial, à época) para Taipu, a exemplo da matéria abaixo, publicado na imprensa da época, com o título – Magnus pede ginásio para Taipú:

Mostrando o sacrifício que tem que ser vencido diariamente por mais de uma centena de jovens estudantes de Taipú, o Deputado Magnus Kelly, ao justificar o requerimento que apresentou, disse acreditar que no Governo Tarcísio Maia que tem como Secretário da Educação o prof. João Faustino, a questão será solucionada satisfatoriamente. É que a cidade de Taipú espera um ginásio para atender ao interesse do estudo de sua mocidade, lembrando que embora mais de 100 alunos diariamente se dirijam a escolas em Ceará Mirim, igual quantidade de jovens deixa de fazer o mesmo porque não tem condições financeiras para enfrentar além das despesas com fardamento e livros, a de transporte.

Lembrou que a comunidade de Taipú luta a alguns anos para obter este benefício, tendo ele mesmo o orador requerido em seguidos anos esta providência do Governo Estadual através de apelos repetidos. Está certo de que o novo estilo administrativo implantado pelo Governador Tarcísio Maia porá fim a esta situação vexatória, mostrando ainda que o Deputado Federal Pedro Lucena já fez constar no orçamento deste ano verba de 50 mil cruzeiros para auxiliar a Prefeitura de Taipú na construção e instalação de um ginásio, gesto que terá este ano solidariedade dos componentes da bancada federal do MDB e do Senador Agenor Maria, ajudando ao movimento daquele município neste mesmo sentido. (fonte: Jornal Diário de Natal, edição nº 09778, página 5, de 30 de abril de 1975).

De Magnus Kelly lembro de suas campanhas políticas, dos discursos inflamados, dos deslocamentos à palhaça para espera sua caravana, que já chegava em Taipu na sua kombi palanque. Lembro do seu carro, estacionado no velho casarão da sua avó Suzana, que atualmente pertence Afrânio Miranda Filho, cheio de presentes para o dia das crianças, e a algazarra que as crianças, dentre elas, eu, faziam pela aquela felicidade ímpar.

Magnus Kelly despediu-se da vida aos 17 de dezembro de 2022, aos 77 anos, e foi sepultado no Cemitério Morada da Paz.

Da passagem de João da Maia Gama, a serviço do Rei, por Taipu.

  DIÁRIO DA VIAGEM DE REGRESSO PARA O REINO, DE JOÃO DA MAIA GAMA, E DE INSPEÇÃO DAS BARROS DOS RIOS DO MARANHÃO E DAS CAPITANIAS DO NORTE...