sábado, 28 de agosto de 2021

Maria Ilda Fernandes - Muitas mãos

 À direita, Ilda, em um de seus aniversários, à esquerda, na casa onde nasceu, em Riacho Fechado; Ilda está na calçada e seus pais, Seu Geraldo e Dona Antônia, aparecem no alpendre da casa - Fonte: acervo de Ilda Fernandes


MARIA ILDA FERNANDES, nasceu no lugar Riacho Fechado aos 26/08/1951, filha de Geraldo Fernandes de Macedo e Antônia Felix Fernandes, ele conhecido por Seu Geraldo leiteiro, ela, por Dona Antônia do Cartório.

Riacho Fechado, que era propriedade de Bento Fernandes de Macedo, pertenceu a Taipu até o ano de 1958, quando passou a pertencer à cidade de Barreto, emancipada politicamente naquele ano; já no ano de 1967 a cidade de Barreto passou a chama-se Bento Fernandes, justamente em homenagem a Bento Fernandes de Macedo, que era bisavô, de Ilda Fernandes, pela parte paterna.

Ilda Fernandes costuma falar da sua felicidade pela dupla naturalidade: diz que é bento-fernandense de nascença e taipuense por adoção.

Ilda Fernandes é dessas pessoas que veio ao mundo para torna-lo melhor; seu projeto de vida confunde-se com suas lutas por um mundo fraterno, justo e humano; é uma inconformista com a desigualdade social.

Nesse ano, aos 26 de agosto, em seu natalício, nos presenteou com mais uma de suas belíssimas poesias, aliás, não sei se poesia, reflexão, oração...  Uma homenagem a todas e a todos que estiveram e estão juntos na sua caminhada pelos “jardins” da vida durante suas 70 primaveras, compartilhando a beleza e o aroma das flores e amenizado as dores nas pontadas dos espinhos.

“Muitas mãos” também parece com a capacidade de Ildinha parecer torna-se tantas, pelo quanto que fez e faz nos jardins de tantos.

 

MUITAS MÃOS (Ilda Fernandes – 26/08/2021)

 

Muitas mãos teceram comigo esse tecido

Que se chama vida criada por Deus

Completando hoje 70 pedacinhos

Contornados por risos e lágrimas nos dias meus

 

Mãos que ajudaram nascer

Mãos que ajudaram comer

Mãos que ensinaram a falar e andar

Mãos que ensinaram ler e escrever

 

Mãos que acolheram nas dúvidas

Mãos que aplaudiram nos feitos

Mãos que afagaram no colo

Mãos que desculparam os defeitos

 

Mãos que motivaram tocar

Mãos que incentivaram cantar

Mãos que ensinaram rezar

Mãos que possibilitaram lutar

 

Prece de gratidão a todas essas mãos

É o que ora me anima fazer

Junto àquelas que me abençoaram

Colorindo em tom mais suave o meu viver

 

Arnaldo Eugenio de Andrade – 28/08/2021

4 comentários:

  1. Parabéns, Maria Ilda Fernandes (Ildinha para os familiares e amigos mais chegados), pela poesia com a qual nos brinda. Continuo aguardando as outras que estão no baú, para diagramar o seu livro de poesias.

    ResponderExcluir
  2. Reservei o último trimestre deste tumultuado 2021 para finalizar mais um livro de minha autoria e diagramar os de dois ilustres taipuenses. Um deles escreve sobre a genealogia e origens de famílias que povoaram o município; o(a) outro(a) é poeta desde criancinha e vem acumulando poesias em um misterioso baú há décadas. Para não desvendar a surpresa, manterei os nomes em sigilo. Rsrsrs.

    ResponderExcluir
  3. Evidencio, que Ilda Fernandes é pessoa humana acima da médi, em todas as facetas de sua vida. Os adolescentes da minha época dtem6 muito de seus encinamentos ...
    Grato, Gratíssimo!

    ResponderExcluir

Da passagem de João da Maia Gama, a serviço do Rei, por Taipu.

  DIÁRIO DA VIAGEM DE REGRESSO PARA O REINO, DE JOÃO DA MAIA GAMA, E DE INSPEÇÃO DAS BARROS DOS RIOS DO MARANHÃO E DAS CAPITANIAS DO NORTE...